"à procura, procura do vento. Porque a minha vontade tem o tamanho de uma lei da terra. Porque a minha força determina a passagem do tempo. Eu quero. Eu sou capaz de lançar um grito para dentro de mim, que arranca árvores pelas raízes, que explode veias em todos os corpos, que trespassa o mundo. Eu sou capaz de correr atrás desse grito, à sua velocidade, contra tudo o que se lança para deter-me, contra tudo o que se levanta no meu caminho, contra mim próprio. Eu quero. Eu sou capaz de expulsar o sol da minha pele, de vencê-lo mais uma vez e sempre.

Porque a minha vontade me regenera, faz-me nascer, renascer.
Porque a minha força é imortal."

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Acorda 2011, anda brincar!



Acorda, menina linda
Anda brincar
Que o Sol está lá fora à espera de te ouvir cantar

Acorda, menina linda
Vem oferecer
O teu sorriso ao dia
Que acabou de nascer
Anda ver que lindo presente
A aurora trouxe para te prendar
Uma coroa de brilhantes para iluminar
O teu cabelo revolto como o mar

Acorda, menina linda
Anda brincar
Que o Sol está lá fora à espera de te ouvir cantar

Acorda, menina linda
Vem oferecer
O teu sorriso ao dia
Que acabou de nascer

Em que terras de sonho andaste
Que Mundo te recebeu
Que monstro te meteu medo
Que anjo te protegeu
Quem foi o menino que o teu coração prendeu?

Acorda, menina linda
Anda brincar
Que o Sol está lá fora à espera de te ouvir cantar
Acorda, menina linda
Vem oferecer
O teu sorriso ao dia
Que acabou de nascer

Anda a ver o gato vadio
À caça do pássaro cantor
Vem respirar o perfume
Das amendoeiras em flor
Salta da cama
Anda viver, meu amor

Acorda, menina linda
Vem oferecer
O teu sorriso ao dia
Que acabou de nascer




Respirem o cheiro das amendoeiras em flor, vejam o gato vadio e o pássaro cantor, ofereçam o sorriso ao dia e não deixem o sol muito impaciente para vos ouvir cantar!

Um beijinho para todos!
Feliz 2011!
Sejam Felizes! ;)

domingo, 5 de dezembro de 2010

Escrito nas Estrelas

Num mês dedicado à Luta contra  a Sida e contra a Discriminação, relembro os Queen na figura de Freddie Mercury, para mim um dos melhores cantores/artistas de todos os tempos.
Morreu no início da década de 90, altura em que a SIDA era considerada uma doença exclusiva de homossexuais e toxicodependentes, e em que a ignorância sobre o contágio era muita. Mas, apesar de tudo, teve sempre os seus companheiros de grupo a seu lado.

Hoje, mais de 20 anos passados, algumas mentalidades mudaram. Mas ainda existem muitas mentes moralistas e discriminatórias. Mesquinhas...

Como se, por muito que nos seja difícil perceber o porquê ou o como, pudéssemos julgar alguém como Pessoa pela orientação sexual ou por ser portadora de alguma doença, independentemente da forma como a contraiu.

Falar, como já ouvi, que deviam ser os doentes de SIDA a pagar os antiretrovirais é desumano e cruel. Porque foram eles que a contraíram? Porque não tomaram precauções? Porque são toxicodependentes? Porque são homossexuais? E os que confiaram? E a cada vez maior percentagem de heterossexuais que têm HIV? E as crianças?
Não será já tremendamente injusto estar doente?
Não seremos todos igualmente humanos?
Onde está a Humanidade de alguns?

Que eu saiba, a vida é para ser vivida. As opções existem todos os dias, para toda a gente. Pode-nos ser mais fácil perceber determinadas pessoas do que outras, determinadas atitudes do que outras. Mas ninguém está imune. Basta estar vivo. Basta Amar. Basta Confiar. Basta Arriscar. 
De moralistas está o Inferno cheio, se é que existe.

O primeiro recém-nascido que vi na Neonatologia era filho de mãe HIV+. Mal nasceu, levou um banho de Betadine e teve a sorte de nascer num país ocidental, onde a mãe pôde fazer profilaxia para que a criança não nascesse seropostiva. Só aos 6 meses de vida se poderá dizer que está livre da doença.
Independentemente da forma como a mãe contraiu a doença, não merecem esta mãe e criança passar muitos  e muitos anos juntas?

Para quê complicar coisas tão simples?
As pessoas precisam de abraços, não de julgamentos morais.
E todos precisamos de Amor. Isso está escrito nas estrelas.
Um beijo, sejam Felizes.




I'm taking my ride with destiny
Willing to play my part
Living with painful memories
Loving with all my heart

Made in heaven, made in heaven
It was all ment to be, yeah
Made in heaven, made in heaven
That's what they say
Can't you see
Oh I know, I know, I know that it's true
Yes it's really ment to be
Deep in my heart

I'm having to learn to pay the price
They're turning me upside down
Waiting for possibilities
Don't see too many around

Made in heaven, made in heaven
It's for all to see
Made in heaven, made in heaven
That's what everybody says
Everybody says to me
It was really ment to be
Yeah, yeah

When stormy weather comes around
It was made in heaven
When sunny skies break through behin the clouds
I wish it could last forever, yeah
Wish it could last forever, forever

I'm playing my role in history
Looking to find my goal
Taking in all this misery
But giving in all my soul

Made in heaven, made in heaven
It was all ment to be, yeah
Made in heaven, made in heaven
That's what everybody says
Wait and see, it was really ment to be
So plain to see
Yeah, everybody, everybody, everybody tells me so
Yes it was plain to see, yes it was ment to be
Written in the stars...
Written in the stars...

terça-feira, 23 de novembro de 2010

No Berçário!



Na magia da Neonatologia até Janeiro...
Todos os dias nascem e são tão lindos...
E tão pequeninos.

Aqui começa a vida.


sábado, 20 de novembro de 2010

Uma noite para comemorar




Esta é só uma noite para partilhar
Qualquer coisa que ainda podemos guardar cá dentro
Um lugar a salvo para onde correr
Quando nada bate certo
E se fica a céu aberto
Sem saber o que fazer.

Esta é uma noite para comemorar
Qualquer coisa que ainda podemos salvar do tempo
Um lugar para nós onde demorar
Quando nada faz sentido
E se fica mais perdido
E se anseia pelo abraço de um amigo.

Esta é só uma noite para me vingar
Do que a vida foi fazendo sem nos avisar
Foi-se acumulando em fotografias
Em distâncias e saudade
Numa dor que nunca acaba
E faz transbordar os dias.

Esta é uma noite para me lembrar
Que há qualquer coisa infinita como um firmamento
Um sorriso, um abraço que transcende o tempo
E ter medo como dantes
De acordar a meio da noite
A precisar de um regaço.

Esta é só uma noite para partilhar
Qualquer coisa que ainda podemos guardar cá dentro
Um lugar a salvo
Para onde correr
Quando nada bate certo
E se fica a céu aberto
Sem saber o que fazer.

Esta é uma noite para comemorar
Qualquer coisa que ainda podemos salvar do tempo
Um lugar para nós onde demorar
Quando nada faz sentido
E se fica mais perdido
E se anseia pelo abraço de um amigo.


Ontem a minha tia Edite fez 45 anos (ela é leitora assídua, mas não comenta com frequência), no passado dia 10 a minha prima Carolina fez 9 anos. No Domingo vamos celebrar.
Um beijinho para elas, adoro-vos muito.
Um beijinho para todos os que lerem, há sempre noites para comemorar...
E é tão bom um abraço numa noite de chuva...
Beijinhos doces.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Cheia de sono, mas com vontade de actualizar este Mar.
Não tem sido fácil, prometo algo mais inspirador para amanhã.
O tempo não abunda, mas é preciso geri-lo como bem precioso que é...
Um beijinho enorme daqui deste cantinho.

Um bom dia de trabalho.
Fica muita ternura e sonhos, muitos e dos bons, só dos bons! ;)

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Tia Árvore, um pouco de magia ao dia

Todos os que passam, param para a apreciar, com mais vagares e demoras do que é habitual. Mesmo os que apressam normalmente o passo, quando os olhos poisam naquele verde alto e imenso, perdem a velocidade e contemplam a árvore, durante alguns momentos, como se, assim, pudessem respirar melhor.

Todas as árvores do parque sentem admiração por aquele porte tão direito, pela folhagem intensa, apesar de, conforme se diz, a idade da Tia Árvore ser já uma idade avançada. Tão avançada que vai para além do tempo dos réis, das rainhas e das princesas, que viu passearem coches e caleches puxados por belos cavalos.

Mas a Tia Árvore preenche-se sobretudo dos que se aproximam, dos que passam perto, dos que procuram uma sombra ou outro qualquer conforto dos muitos que a Mãe Natureza reserva. Mais do que conforto: prazer!      

  in A Tia Árvore, de Madalena Santos

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

A velhinha

Num domicílio, espera a velhinha e espera a senhora.
A velhinha anseia aquela visita. Para ela, todos os dias são iguais. Para ela, já há muito que a rotina se instala lentamente. Já baralha os pensamentos... e as dores são tantas!...sempre cheia de dores... As costas estão deformadas pelo tempo, a memória está enfraquecida pela solidão, os músculos estão velhos, o cabelo velho, o cansaço velho, quase tudo velho.

A velhinha já mal dorme. Quando aparece a senhora, logo pela manhã, a velhinha arriba um pouquinho. 
A senhora vê a velhinha confusa, triste, a cheirar a urina... E tenta resolver tudo, minorar aquela dor. A senhora dá a medicação, lava e veste a velhinha, deixa o almoço e fala com ela.

Chegam o médico e a menina. A velhinha tem esperança, mas por outro lado sente-se velha e sozinha. Diz que já não tem ninguém, nem marido, nem sobrinhos, nem irmãos. Chora. 
O médico receita nova medicação, pára o medicamento que faz a velhinha levantar-se muitas vezes de noite para ir à casa de banho. Receita um medicamento para ajudar a velhinha a dormir, a pedido da senhora. Receita um medicamento forte para as dores. E a velhinha sente-se mais amparada. Começa a conversar. Diz que é do Minho, que já vive em Lisboa há mais de 50 anos.  A menina observa e ouve.

Chega a hora do médico ir embora. A velhinha fica triste. 
O médico aperta a mão da velhinha, a velhinha sente que em breve ficará sozinha. 
A menina aperta a mão à velhinha, a velhinha não deslarga essa mão. Diz que alguém assim é que ela precisava, alguém com quem pudesse conversar e que lhe fizesse companhia. Elogia a senhora, diz que ela é muito querida. Mas sente que tem muitos tempos vazios, sem ninguém. A menina diz à velhinha para ter força, que já é bom ter aquela senhora que é tão dócil e que lhe faz um pouco de companhia.

E vão-se embora.
Ficam a velhinha e a senhora.
A senhora é apenas voluntária.
A velhinha é apenas velhinha.
O médico é apenas médico.
A menina é apenas menina. Fica a pensar... E lembra-se de uma frase da velhinha.
Enquanto há vida há esperança.



quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Obrigada.

Só tenho uma palavra a dizer a todas as Amigas do Peito: Obrigada.
Obrigada pela simpatia, ternura, carinho e muito mais.
Beijinho grande.

PS - Obrigada pelo almoço de Sábado! ;)

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Amanhã!

Amanhã é o Futuro.

Amanhã existe a Esperança.

Amanhã mata-se o sofrimento.

Amanhã descobre-se a cumplicidade, a alegria, as risadas, o prazer de estar em grupo...

Naquele grupo...

Amanhã existe um rio e um lugar.

Amanhã existe alguém e todas nós.

Amanhã existe um laço cor de rosa, um céu azul, um ar respirável.

Amanhã existe a Força, e muita gente com Força.

Amanhã existe a Admiração profunda.

Amanhã fica a Amizade e a Ternura.

A celebração da vida.

Amanhã ficará a certeza de muitos amanhãs...


Até amanhã, Gang! ;)

domingo, 10 de outubro de 2010

No teu Poema

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Jantar de amigas!

Há pessoas que ficam para sempre nas nossas memórias, nos nossos sonhos, nas nossas histórias... simplesmente porque sim!

Simplesmente porque algo nos juntou: talvez o acaso, a Medicina, os feitios compatíveis, os risos, as lágrimas, o medo (no 1º ano e não só), a entreajuda... as confidências... sei lá!

A Amizade trouxe manhãs, tardes e noites memoráveis.
A Amizade trouxe abraços e muita vontade de estarmos juntas, todas juntas!!!
E antes do início do Estágio Clínico, na 2a feira, espero mais uma noite de gargalhadas, de abraços, de saudade, já um pouco de despedida.

Mas a Amizade, essa, tem-nos feito Felizes desde 2005!
E isso vê-se pela Alegria que todas temos quando estamos juntas, por Lisboa, ou por qualquer sítio! Mas hoje será por Lisboa!

Beijinhos!!!
Bom fim de semana para todos...
Mil sorrisos e gargalhadas, é o que desejo!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Dia Mundial da Música

Music is the Medicine of the Mind
John Logan








Beijinhos!
Sejam Felizes, com muita Música! ;)

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Um beijinho!

Ausente há algum tempo desde o meu retorno ao continente.
Tenho oscilado entre Lisboa e Coimbra, mas Lisboa já domina até porque já estou a ter optativas.
O estágio do 6º ano começa no dia 11 de Outubro.
Até lá, vou dando notícias mais frequentes.

Isto só serviu para dar um beijinho às minhas amigas dos blogues. Continuo por aqui.
Beijinhos, espero que estejam bem.

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Para além do infinito...

Para além do infinito...


existe uma Ilha...



descoberta por navegadores Portugueses...



que comiam muitas bananas...



e adoravam estrelícias...



andavam de teleférico...


e de cestinho de vime...


faziam casinhas com porta vermelha...


e sorriam (como um pai e uma filha)...


Beijinhos da Ilha...
A navegadora Zarco.

domingo, 12 de setembro de 2010

Estrelícia de saudades

O pai entregou-lhe a Estrelícia de tons fogo, o verde aparecia frio, sem pedir licença. E pelo meio, o lilás, numa união perfeita ao fogo e ao frio, imponente. Ela sorriu, lembrou a infância, olhou aquele mar imenso, azul, aquele mar que envolve todo aquele pedaço de terra fértil. Lembrou-se de momentos e de pessoas. Lembrou-se de uma determinada felicidade, num determinado momento. E voltou a olhar o mar, e a olhar o pai, com esperança de, no futuro, poder receber outra Estrelícia cheia de serenidade e de amor.

...

Afastou-se, olhou o mar que não teve durante tanto tempo...
E sentiu falta da falta do mar... Fechou os olhos, inspirou a maravilha da maresia... Hungria, Debrecen, Budapeste... Há exactamente um ano atrás começava a aventura...
Sorriu amargo e doce, com a boa sensação das saudades que permanecem...

...

Um beijo da maravilhosa ilha da Madeira
Sejam Felizes!

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Porque a minha força é imortal

"à procura, procura do vento. Porque a minha vontade tem o tamanho de uma lei da terra. Porque a minha força determina a passagem do tempo. Eu quero. Eu sou capaz de lançar um grito para dentro de mim, que arranca árvores pelas raízes, que explode veias em todos os corpos, que trespassa o mundo. Eu sou capaz de correr atrás desse grito, à sua velocidade, contra tudo o que se lança para deter-me, contra tudo o que se levanta no meu caminho, contra mim próprio. Eu quero. Eu sou capaz de expulsar o sol da minha pele, de vencê-lo mais uma vez e sempre.
Porque a minha vontade me regenera, faz-me nascer, renascer.
Porque a minha força é imortal."

José Luís Peixoto, in Cemitério de Pianos

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

São Pedro de MoeLisboa

Olá a todos!

Antes de mais queria agradecer as mensagens e sugestões... Cá está o mesmo blogue, a mesma pessoa, a escrever-vos.

Depois de 4 semanas entre a casa dos avós e São Pedro de Moel, regressei a Coimbra, no Domingo à noite.
Na 2ªfeira lá fui eu para Lisboa acolher 2 Erasmus húngaros e dar uma "ajudinha" na procura de casa.
Foi mais ao menos assim: sobe, desce, metro, mudar de linha, andar, andar, andar mais...e os húngaros a suar...e eu a suar....dormir, acordar, desce, sobe, linha verde, muda de linha, linha azul, suar, suar, suar, sem tempo para nada, apenas procurar...ver...rejeitar...telefonar... 

Ontem deixei-os ao abandono na capital, após 3 dias de dedicação à causa deles... Essa parte também é gira no fim, lembrar o sentimento de abandono dos primeiros dias... ;)

Ontem chegaram a Debrecen os novos Erasmus Portugueses da minha faculdade...
Hoje, o país está inquieto com a leitura da sentença do julgamento da Casa Pia...
Amanhã, é o futuro... Para todos nós...
E é no amanhã que está a Esperança...

Beijinhos


São Pedro - Casa do escritor Afonso Lopes Vieira, à esquerda:  capela que mandou construir para a mulher, apesar de ele próprio não ser crente, à direita: a grande varanda com vista para o mar, onde o escritor procurava inspiração.



São Pedro - Outra vista sobre a casa do escritor Afonso Lopes Vieira (agora Casa-Museu), à direita, uma parte dessa casa foi transformada em colónia de férias para os filhos dos trabalhadores do vidro da Marinha Grande, por vontade do escritor após a sua morte.


São Pedro - Vista sobre a praia 



São Pedro - As três primas e uma amiga, no dia dos 13 anos da Bia, 24 de Agosto. 


segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Sondagem! O que fazer ao meu blogue?

Olá a todos!

Falo-vos de São Pedro de Moel, terra onde o escritor Afonso Lopes Vieira escrevia da sua varanda, a olhar o mar.

O dia hoje está chuvoso, algo triste, mas sempre bonito... Com mar, e com o barulho da rebentação das ondas que oiço enquanto eu própria teclo, era impossível não haver beleza... É uma beleza muito lusitana, misturada com a alma das gentes, dos trabalhadores do vidro, dos seus filhos, dos turistas ocasionais e com a alma dos seres marinhos e das sereias, das lendas e das histórias que ficam por contar ...

Amanhã faz exatamente um mês que deixei a Hungria... Este mês por terras lusas, apesar das férias, não foi propriamente fácil. Ando num humor oscilante, ainda em adaptação a esta nova realidade que era a antiga.
Sinto-me uma verdadeira carangueja, com variações de humor que me irritam, ao longo das semanas, quase que de novo adolescente.... Sinto saudades...

Não me tem apetecido escrever neste meu espaço porque parece que estou a pôr coisas banais num espaço que tem vivências muito especiais... (Sei que é uma estupidez mas, na realidade, é o que tenho sentido)
E hoje, pela primeira vez desde que regressei, decidi escrever-vos...

E preciso da vossa ajuda para decidir o destino a dar a este blogue. Estas são as opções:

1- Mudar apenas o nome e mantê-lo como blogue principal.
2- Deixá-lo em suspenso e criar outro blogue para contar as peripécias lusas.

Deixo-vos um beijinho, qualquer que seja a opção que tomar, uma coisa é certa, continuarei pelo mundo dos blogues, a dar notícias e sorrisos, e a visitar os vossos espaços, sempre que puder...

Espero pelas vossas sugestões!
Puszi (beijinho, em húngaro) ;);)
Até breve!

sábado, 24 de julho de 2010

Despedida e Saudade

Escrevo-vos nas minhas últimas horas na cidade que me acolheu neste ano maravilhoso, repleto de experiências que ficarão para sempre.

Tudo foi rapidamente estranho no início, mas até a antipatia dos húngaros se entranhou depois de muito se estranhar.

Percebo melhor este povo, a sua cultura, o seu modo de pensar, apesar de continuar a achar que em simpatia são, talvez, o povo menos simpático de toda esta nova velha Europa que conheci.

De qualquer modo, foi aqui que vivi desde Setembro, fui Feliz, e também o devo a este país, a todas estas diferenças.

Numa Europa cheia de diferenças, cada vez mais precisamos de Paz e Tolerância, de Compreensão. É também a olhar para os outros, a respeitá-los, a tentar percebê-los que nos tornamos Melhores.
Para além da diversão, dos amigos tão diferentes, das diferentes metodologias de ensino, sinto que reaprendi a Tolerar (Debrecen está preenchida com tantas culturas diferentes: Israelitas, Iranianos, Coreanos, Turcos....)

É inevitável estar diferente, pensar de forma diferente, sentir de forma diferente...
Valeu a Pena? Tudo vale a pena se a alma não é pequena!
Valeu muito a pena!

Obrigada a Ti, por tudo e por nada!
Obrigada a todos os que estiveram presentes de todas as formas possíveis desde o início desta aventura: Família e amigos.
Obrigada a todos os que aqui comentaram, foram demasiado importantes.

Um agradecimento especial às amigas do peito, sem vocês este Erasmus tinha sido muito menos vivo, muito menos sentido, muito menos emotivo. Obrigada por serem incansáveis no apoio e nos comentários, sempre, sempre presentes, apesar de nunca nos termos visto pessoalmente.

Obrigada a todos os meus colegas Erasmus, por me ensinarem a viver e a saber como não viver.

Obrigada a todos os que me esperam em Portugal, ansiosamente.
Obrigada a todos os que se emocionaram na Despedia.

Assim é a vida, e ela é, acima de tudo, para ser Vivida, na busca de uma Felicidade utópica, mas que tem de ser buscada sempre, passando por cima de qualquer obstáculo.
A vida também é Erasmus, este espírito de aventura, esta sede de ser Feliz e de Conhecimento, no mais vasto campo que esta palavra abrange.

Despedida e Saudade, de tudo, de todos os espaços...
Da minha Hungria.
Da minha cidade de Debrecen.
Da minha Budapeste.

Das pessoas especiais.

Da minha Lisboa. Da minha Coimbra.
De todos os que me Amam.
Até já!

Um beijo enorme do tamanho do mundo.
Viva o Erasmus.
Viva a Vida.

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Vou por aí...

Vou por ai às escondidas, a espreitar às janelas,
Perdido nas avenidas e achado nas vielas.

(...)
Não vês como isto é duro, ser jovem não é um posto,
Ter de encarar o futuro com borbulhas no rosto.

(Carlos Te)

Um beijinho, sejam Felizes :)

PS: Hoje entreguei as chaves do meu quarto, esvaziei o quarto de tudo quanto tinha armazenado durante estes meses... Agora tenho de andar por ai... :) Um beijinho, vou dando noticias.

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Debrecen Panorâmico



O Main Building...



A Baixa, vista da torre da Igreja Amarela



Uma das muitas estátuas da cidade


Da torre da Igreja...




Beijinhos, Sejam Felizes! ;)
(Hoje estou em arrumações!)

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Parabéns, querida TeresaP! ;)


T ernura
  E moção
   R iqueza 
   E nergia 
  S aúde 
A mor


Querida amiga, é tudo o que desejo para os próximos anos: Riqueza de Ternura, Riqueza de Emoção, Riqueza de Energia, Riqueza de Saúde e Riqueza de Amor. Que os dias Ricos sejam estes, cheios de Afectos e de Bem-Estar. E se se puder associar o "vil metal", melhor!

Beijinhos, com muita Riqueza de Sentimento.
Tem sido um privilégio estar "aqui" e ver-vos por "aqui," neste espaço comum de partilhas que se tornou tão Humanamente Bonito! 
Beijinhos, directamente da Hungria, no dia em que acabei os exames, e para uma pessoa que já faz parte da minha vida.

terça-feira, 6 de julho de 2010

Chuva

Está um dia de calor, ela espera-o em frente a uma igreja amarela, numa qualquer parte do Mundo... A espera é igual a tantas outras esperas, vazia, sem vida, sem momentos.
Enquanto olha para as pedras da calçada e se mexe de um lado para o outro, com impaciência, recorda-se.
E são tantas as memórias, daquelas que estão bem guardadas, tão secretamente, daquelas que, com medo de que percam a beleza e a magia, não se contam a ninguém, mesmo a ninguém. Ficam guardadas no canto escuro da alma, entorpecidas. E foi a essa parte da alma que ela foi buscar sentimentos tão deliciosos, como aquele Verão quente, mas simultaneamente húmido.
 Lembra-se de gelados deliciosos, de sorrisos espontâneos, de algumas lágrimas escondidas numa alegria semi-mentirosa, de calor e de chuva, das palavras usadas na altura certa, que ficarão para sempre. Esboça um pequeno sorriso e continua a espera. Lembra-se dos dias de emoção contida, dos dias de emoção desmedida, dos dias sem emoção alguma mas que, mesmo assim, valeram tanto a pena. Agora sente o coração apressar-se, pede-lhe que páre um pouco, mas ele continua alegremente desobediente. Inspira fundo, olha para o braço, mais uma picada de mosquito coleccionada. Porque se esqueceu do repelente? Esquece o repelente, volta às profundezas do pensamento. E a espera continua, mas cada vez mais viva.
Recorda pessoas, sobretudo pessoas. Os seus olhos, que dizem tanto e às vezes dizem tão pouco. Mas gosta de recordar isso. São pessoas como ela. Imperfeitas. Como ela. Mas com tanto para contar. Lembra-se da  lucidez de alguns durante a infelicidade, do total desprezo de outros para com a felicidade que está ali e é tão real, das tristezas agridoces, com sabor a ternura e alegria, do conforto, da segurança, dos Abraços. Lembra-se de... Um pingo de chuva cai precisamente em cima da pele vermelha, marcada pelo mosquito. Olha para o céu, escuro, cinzento, cheio. Vem trovoada. Vem tempestade. Vem chuva.
Lá ao fundo, a figura dele. Começa a chover intensamente. A chuva apagou os pensamentos. Mas renova o dia. Começa o agora. E ele está perto, o coração volta a desobedecer alegremente. Olha para a pele suada da ansiedade da espera. Sente-se Feliz, por um momento, e deseja que a chuva não passe.

sábado, 3 de julho de 2010

A melhor sobremesa!

Já passou mais de uma semana, mas não podia deixar de partilhar convosco a melhor sobremesa que podia ter tido no meu dia de anos!... ;)

E não é o copinho branco com bagas vermelhas e transparentes, é a que está ao meu lado... ;)

E este verde, na floresta de Debrecen, a seguir ao almoço.







"O essencial é invisível para os olhos"

Sejam Felizes!
 
 

(Relativamente à eliminação de Portugal, assunto sobre o qual ainda não falei, quero apenas dizer que os espanhóis que estão cá de Erasmus nos deram uma grande lição! Quando nos encontrámos após o jogo nada disseram, tiveram muita consideração e respeito - questiono-me se teríamos feito o mesmo, ou se não nos teríamos contido com as nossas boquinhas, como (bons) portugueses que somos...
Por isso mesmo, merecem que hoje apoie a Espanha, portanto, vou estudar esta tarde para poder ir ver o jogo com eles, ou pelo menos passar por lá um bocadinho...
Uma última consideração, acho indecente o C. Queirós vir dizer que ainda se tem que fazer muito pelo futebol em Portugal... Só me apetece dizer "Não me lixem!"... Se me disserem que há muito a fazer pelas outras modalidades que não o Futebol, tudo bem! Ou melhor, tudo mal! Os atletas das outras modalidades fazem esforços incríveis para competirem e quando ganham algo verdadeiramente meritório não são sequer notícia de abertura dos jornais televisivos...
A Selecção foi para o Mundial com todo o apoio financeiro que podiam ter tido, gastaram ao nível de uma França e de uma Inglaterra). Espanha foi elogiada pela ministra do desporto francesa (que foi muito crítica relativamente aos gastos da sua selecção) por ser um exemplo de uma selecção que, estando num lugar de topo do ranking, escolheu um campus universitário para estagiar, devido à crise que o país atravessa.
Só por isto, mereciam vencer este Mundial. E outra coisa, falta-nos muita humildade e união (e não estou a falar só dos jogadores, o exemplo tem de vir de cima, de quem comanda). E isso, nenhum dinheiro compra. Aguardo as cenas dos próximos capítulos...
Vou estudar... Beijinhos)

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Um Fadinho para Animar! ;)



Beijinhos, muitas rosas brancas para todos...uma especial para a Natália!
Sejam Felizes! ;)

terça-feira, 29 de junho de 2010

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Turbilhão de sentimentos...

Ainda faltam 2 exames, mas a contagem decrescente começa...

Adio o empacotar de emoções para amanhã, e depois para depois de amanhã, e depois para depois de depois de amanhã...e adio, e adio, até ser inevitável. O facto de ainda faltarem 2 exames é bom, por um lado, ainda me sinto cá, ainda me sinto no meu ano Erasmus...

Começa a Saudade, de cá, (de lá)...
O medo da Saudade de cá... Medo!

A semana com a mãe foi muito boa, soube a pouco, mas foi mesmo boa, cansámo-nos quase até à exaustão... Mas a despedida com o sabor bom de que dentro em breve estaremos mais perto uma da outra, trouxe-me também o sabor amargo de ter de regressar.

Quase ninguém está preparado para regressar de Erasmus...
E ainda bem! Tão bom sinal!

Olho para os "facebooks" dos amigos Erasmus retornados a casa e vejo "Só quero adormecer e acordar em Outubro", diz Madalina, a Romena; ou, "Espero que esta tristeza passe depressa", diz a Catalã Marta...

Acho que sou uma boa fazedora de Lutos antecipados, talvez tudo isto seja mais fácil do que estou à espera... E se não for?
Paciência! Como dizia a Macarena, a espanholita, "a minha mãe só me permite ficar zangada durante uma semana, mas vou aproveitar bem essa semana".

E por falar em Espanhóis, esperemos que amanhã seja "a nossa noite"!
E cá continuarei a aproveitar mais um mesito!
Então não? Esta nostalgia já foi despejada, voltará quando tiver de ser...

Beijinhos para todos!
Por favor, façam-se Felizes! ;)

sábado, 26 de junho de 2010

Play the game (of love)





Beijinhos, bom final de semana para todos!
Play the game...

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Tolices de quem não tem muito miolo

Com que então caiu na asneira
De fazer na quinta-feira
Vinte e seis anos! Que tolo!
Ainda se os desfizesse…
Mas fazê-los não parece
De quem tem muito miolo!

Não sei quem foi que me disse
Que fez  a mesma tolice
Aqui o ano passado…
Agora o que vem, aposto,
Como lhe tomou o gosto,
Que faz o mesmo? Coitado!

Não faça tal; porque os anos
Que nos trazem? Desenganos
Que fazem a gente velho:
Faça outra coisa; que em suma
Não fazer coisa nenhuma,
Também lhe não aconselho.

Mas anos, não caia nessa!
Olhe que a gente começa
Às vezes por brincadeira,
Mas depois se se habitua,
Já não tem vontade sua,
E fá-los, queira ou não queira!

(João de Deus)

 

Olá!

Desculpem não dizer nada nestes dias...
Mas a visita importante é... a minha mãe!
E como tal, o blogue descansa um bocadinho e espera que daqui a pouquinho marquemos muitos golos!!! ;)
Espero que estejam bem e muito Felizes!
Um beijinho com muito carinho, já sem escaldões, até porque chove em Debrecen.

Cuidem-se e sejam Felizes!

segunda-feira, 14 de junho de 2010

A escaldar...

Tudo a escaldar...
Tudo a escaldar...
Debrecen a escaldar nestes últimos dias (o estudo custa a entrar)...
Mosquitos a picar, muitas melgas e mosquitos.
Coração a escaldar (saudade)... gente a ir embora, despedidas...
Coração a escaldar (ansiedade controlada)... exame amanhã, estudar.
Coração a escaldar (parvoíce patriota)... Portugal vai jogar.
Coração a escaldar (Ansiedade)... à espera de uma visita importante!

Chuva... Ahhhhhhh....

Beijinhos doces, muito amenos (mas ainda a escaldar)

terça-feira, 8 de junho de 2010

O cheiro da casa da avó...

Num dia próximo, a TeresaM, ao deixar um comentário tão querido no meu blogue, como sempre, falou no cheiro da casa da avó...
Ficou-me a apetecer imenso falar sobre isso...

O cheiro da casa da avó é um cheiro verdadeiro de ternura e de segurança... Nele incluem-se as tardes bem passadas entre comidas e bebidas, chás de hortelã e panquecas, feitas pela tia para todos, que as primas pedem, histórias (de trabalho) contadas pela outra tia, brincadeiras das primas e do primo mais novo da família. Nele incluem-se as filhoses de abóbora feitas e amassadas pela mãe, no Natal, fritas pela avó e salteadas com açúcar e canela por mim...
O cheiro da casa da avó inclui o bolo de nozes que a avó antes fazia, o frango assado na brasa que a avó faz, os piqueniques na mata de São Pedro, o olhar aguado azul, de amor, que o avô tem quando se emociona, a compreensão inigualável da avó, os sermões aliados ao "querer que tudo vos corra bem na vida" do avô, o amor inquestionável que ambos têm pelas filhas e pelos netos.
O cheiro da casa da avó estará para sempre ligado aos anos de trabalho árduo que os dois tiveram, a avó era a cozinheira do seu próprio restaurante na aldeia (aos Domingos era sempre dia de cozido à Portuguesa), a avó era a talhante do seu próprio talho, ajudante da sua própria mercearia e empregada do seu próprio café. O avô ficava-se pelo café e pelo talho - quantas manhãs não acordava com o som do podão a cortar a carne, a desmanchar a carne, como tão bem ele sabia fazer - e pelas idas à Quinta.
O cheiro da casa da avó é também o cheiro das três filhas (por ordem de aparecimento): Janine, Edite, Cidália; das suas alegrias e das suas tristezas, mas de muitos momentos Felizes.
O cheiro da casa da avó é também o cheiro "de protecção e mimo" dos netos: Marlise, a mais velha; Beatriz,  nascida no último Agosto (1997) de funcionamento do café e restaurante; Carolina, 8 anos, que foi cuidada pela avó durante alguns meses do primeiro ano de vida; e Francisco, 2 anos, o mais novo, e único menino entre mulheres.
O cheiro da casa da avó é um cheiro doce de união, apesar das diferenças, e dos laços que se criam sempre que nos juntamos todos, com bastante frequência.

O cheiro da casa da avó é o cheiro da luta pela dignidade na velhice, pela autonomia e  pela luta contra a doença. A avó vive autónoma, dia após dia, com Parkinson, o avô superou um cancro do cólon e um enfarte agudo do miocárdio, nos últimos 10 anos.

O cheiro da casa da avó é um cheiro especial, cheio de recordações, mas a olhar para o futuro.
Na esperança de que fiquem connosco muito mais tempo, para nos verem crescer e superar os obstáculos da vida, com os valores que nos ensinaram, todos os dias...

É deles de quem sinto muita falta neste ano em que estou mais distante: da avó Amélia e do avô Miguel.
Obrigada por serem quem são.
Desta neta que vos ama muito,

Marlise


 A lareira da casa da avó - Natal 2009


Os nossos doces de Natal 2009


sexta-feira, 4 de junho de 2010

Luz, muita luz.

Gosto de ti como quem gosta do sábado,
Gosto de ti como quem abraça o fogo,
Gosto de ti como quem vence o espaço,
Como quem abre o regaço,
Como quem salta o vazio,
Um barco aporta no rio,
Um homem morre no esforço,
Sete colinas no dorso
E uma cidade p’ra mim.

Gosto de ti como quem mata o degredo,
Gosto de ti como quem finta o futuro,
Gosto de ti como quem diz não ter medo,
Como quem mente em segredo,
Como quem baila na estrada,
Vestido feito de nada,
As mãos fartas do corpo,
Um beijo louco no porto
E uma cidade p’ra ti.

Enquanto não há amanhã,
Ilumina-me, Ilumina-me.
Enquanto não há amanhã,
Ilumina-me, Ilumina-me.

Gosto de ti como uma estrela no dia,
Gosto de ti quando uma nuvem começa,
Gosto de ti quando o teu corpo pedia,
Quando nas mãos me ardia,
Como silêncio na guerra,
Beijos de luz e de terra,
E num passado imperfeito,
Um fogo farto no peito
E um mundo longe de nós.

Enquanto não há amanhã,
Ilumina-me, Ilumina-me.
Enquanto não há amanhã,
Ilumina-me, Ilumina-me.

Pedro Abrunhosa

quinta-feira, 3 de junho de 2010

ENT - Done!

É verdade que foi mesmo num dia de feriado em Portugal que fiz exame (eu sei que parece impossível)...
Menos um, faltam mais três: Ortopedia, Reumatologia e Nefrologia/Endocrinologia! 
Estou bem mais aliviada porque este era um peso pesado aqui por terras húngaras. Já era para o ter feito no 1º semestre mas decidi deixar para o 2º semestre quando me apercebi da quantidade de matéria que era e do pouco tempo que tinha para estudar. Hoje ficou feito! ;)

Desejo a todos uma Sexta-feira em pleno, com muito sol (que por aqui voltou a esconder e a dar lugar à chuva). Mas cuidado com a radiações UV que estão com níveis máximos por terras lusitanas! Protejam-se!
E...sejam Felizes!

Fica uma música verdadeiramente relaxante...

terça-feira, 1 de junho de 2010

Dia Mundial da Criança e muitos bonequinhos!!! ;)

Façam os vossos bonequinhos no site http://diadacrianca.irrequietos.com/

10 bonecos = 75 vacinas contra a poliomielite

Não devia ser necessário, mas infelizmente é...

E porque todas as crianças têm direito a serem Felizes, o direito à saúde devia ser inquestionável em qualquer parte do mundo.

Obrigada Natália, pela informação. Beijinhossss

 E porque hoje é um dia especial, fica um beijnho enorme para a Bia, Carol e Francisco (fiz um boneco com os nossos nomes - FranBiaCarolise, procurem está lá no site :))


Beijinhos


domingo, 30 de maio de 2010

ENT - "Ear, Nose, Throat"


A estudar, talvez, o exame mais importante por aqui (importante porque, todos dizem, ser o mais difícil). Na realidade, todos são importantes porque todos têm de ser feitos, e é se quero entrar em Setembro no 6º ano.

Otorrinolaringologia (o raio da palavra é comprida, mas os ingleses simplificam para Otolaringology e, aqui, todos falam em ENT, muito simples...

Entre ouvido médio, interno, laringe, cordas vocais, faringe, seios perinasais, sinusites, adenoidites e umas coisas mais terminadas em "ites" como rinites, a que decorei logo foi a honeymoon rhinitis, ou seja, rinite de lua-de-mel.
Passo a explicar, a honeymoon rhinitis tem sintomas idênticos aos da rinite alérgica e é relativamente comum nos recém-casados em lua-de-mel, devido à excitação sexual. (É engraçado como a mente tem poder até nas rinites!!! A mente domina tudo ;))

 Outra coisa que sempre achei muito interessante foi a relação do sistema límbico (emoções) com o sistema olfativo. O olfato é o único sentido que tem relação tão íntima e directa com o sistema cerebral das emoções... Daí os odores serem tão importantes na memória afetiva de cada um... Depois há a teoria das feromonas e da escolha inconsciente dos parceiros sexuais pelo odor humano que mais agrada (mas isso já é demasiado redutor, há concerteza múltiplas e complexas variáveis na escolha de um par, e ainda bem...;))

Depois desta deambulação de ideias, numa pausa de estudo, deixo-vos um beijinho e desejo uma semana em grande.
Cheirem muito, saboreiem muito, oiçam boa música e gastem a vossa voz com pessoas que mereçam ouvi-la, que as cordas vocais também se cansam...
Ah, e este conselho também é para mim, bebam muita água (acho que faz bem a tudo!!!;)) 


domingo, 23 de maio de 2010

O Amor virá! Sérvia e Bósnia...

Foi, sem dúvida, uma das viagens que mais me marcou, neste ano Erasmus. Pela guerra tão recente, pelas feridas que ainda não sararam, e que talvez fiquem abertas para sempre...
E por estarmos em plena Europa...

Uma noite em Belgrado, na Sérvia, que ainda não reconheceu a independência do Kosovo e que, por isso, ainda se encontra em conflito.
Confesso que os meus preconceitos se dissiparam um pouco,  o povo sérvio revelou-se aberto aos turistas ocidentais, simpático, prestável, com um olhar que me fez sentir compaixão.





Belgrado - Uma das maiores igrejas ortodoxas do mundo ( a maioria dos sérvios é cristão ortodoxo)

Belgrado - os edifícios cinzentos que nos fazem lembrar o antigamente...

Belgrado - alguns edifícios bem preservados na baixa da cidade


Duas noites em Sarajevo, Bósnia Herzegovina.
Pelo peso histórico da cidade, por me recordar de ver imagens da guerra da Bósnia na televisão, por todas as atrocidades que se cometeram, por termos enviado uma força Portuguesa de Paz para a região, por ainda termos cerca de 50 militares na região, senti uma forte carga emotiva, nesta cidade.
Sarajevo foi completamente destruída durante a guerra da Bósnia, edifícios como a Biblioteca Nacional, o Hospital, várias mesquitas da cidade ficaram reduzidos a pó.
Impressionante foi constatar a rapidez com que a cidade foi reconstruída, tendo mais edifícios modernos do que Belgrado. Contudo, permanecem alguns prédios com marcas de balas, onde actualmente vivem pessoas, e outros "prédios fantasma" que ainda não foram deitados abaixo para serem reconstruídos...isso é deveras arrepiante...

A guerra da Bósnia veio mostrar, uma vez mais, a intolerância que os seres humanos têm com a diferença.
Se quiserem ler mais sobre a guerra da Bósnia:http://pt.wikipedia.org/wiki/Guerra_da_B%C3%B3snia

Envolveu os três grupos étnicos e religiosos da região: os sérvios cristãos ortodoxos, os croatas católicos romanos e os bósnios muçulmanos. É o conflito mais prolongado e violento da Europa desde o fim da II Guerra Mundial, com duração de 1.606 dias. A guerra durou pouco mais de três anos e causou cerca de 200.000 vítimas entre civis e militares e 1,8 milhões de deslocados, de acordo com relatórios recentes. Do total de 97.207 vítimas documentadas, 65% eram muçulmanos bósnios, 25% sérvios e 8% croatas. Entre as vítimas civis, 83% eram bosníacos, 10% sérvios e mais de 5% eram croatas, seguido por um pequeno número de outros, como os albaneses ou povo Romani. 
Pelo menos 30% das vítimas civis bósnias eram mulheres e crianças.

Actualmente, o governo Bósnio é uma república presencialista com um representante bósnio muçulmano, um croata e um sérvio.
Sarajevo reaprendeu a viver na diferença, e é , curiosamente, isso que torna a cidade, do meu ponto de vista, tão especial. Olhamos e vemos mesquitas com os seus minaretes, igrejas católicas e ortodoxas. Há cemitérios para as 3 confissões religiosas separadamente e até para os comunistas (isto foi dito por um bósnio e eu achei piada).
Também me foi dito em Sarajevo: "Só há dois tipos de Homens: os bons ou os maus, o resto pouco interessa". 
Ficam as imagens de Sarajevo, com uma surpresa tão especial...

Um dos maiores hotéis de Sarajevo, foi completamente destruído durante a guerra.

 Uma das muitas mesquitas da cidade

Um dos mais recentes centros comerciais da cidade

Contraste: Prédios modernos, com prédio em ruínas do tempo da guerra

Jogo de xadrez em plena rua (faz lembrar o jogo da  malha nas nossas aldeias, não faz?;))

 Baixa de Sarajevo: cheia de esplanadas e de cafés muito acolhedores, mesmo em dia de chuva

Mais baixa, lá ao fundo, bem pequeno, mais um minarete

Universidade

Vestígios de guerra ainda não apagados

Vista de Sarajevo, entre as montanhas

Marcas de tiros em prédios de habitação...

Local histórico: o acontecimento que deu início à 1ª Guerra Mundial

A surpresa final...

E o fabuloso concerto... O profissionalismo... Os bósnios a aplaudirem de pé... E o Orgulho!...


Por fim, fica uma música dos U2 com o Pavarotti. O vídeo está em Português do Brasil, mas explica o propósito da música. As imagens são chocantes para pessoas mais sensíveis.





Um beijinho doce.
Sejam Felizes!

terça-feira, 18 de maio de 2010

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Fiquem bem!

Desejo a todos os que me visitam um Sábado maravilhoso e um Domingo ainda melhor.
Fica o meu beijinho especial para a Natália.
Fiquem bem! ;)

sábado, 8 de maio de 2010

A lição de vida dos mortos...


O meu fim-de-semana vai ser passado a estudar Forense (com um interregno para ver o jogo do Benfica), tenho exame na Quarta.
É engraçado como sempre gostei de ver séries policiais, mesmo em miúda, mas depois ficava cheia de medo. Ainda hoje gosto de um bom filme carregado de suspense, mas tem de ser bem feito.

Agora é mais sério, quando realmente vemos os mortos à nossa frente. Aprende-se a lidar com isso, confesso que pensei que me fizesse mais impressão. Cada um deles teve a sua história e isso faz pensar, e exige respeito por aquele corpo que já foi pessoa.
Vi muitos cadáveres este ano, muitos mais do que veria, possivelmente, em Portugal (parece que não se morre por lá). E até pode parecer mórbido, mas o interesse que existe nestes médicos é o de saber a causa da morte, a fim de dar alguma Paz a quem fica, e para que seja feita justiça.
O objectivo é nobre.
Entre os que vi, existem muitos suicídios: A Hungria é dos países da UE com maior taxa de suicídio - penso que deve ser uma conjunção de factores sociais com a forma de ser dos húngaros - no geral, são muito carrancudos e depressivos.

"O suicídio é um trágico problema de saúde pública em todo o mundo. Ocorrem mais mortes por suicídio que por homicídios e guerras juntos. É preciso adotar com urgência em todo o mundo medidas coordenadas e mais enérgicas para evitar esse número desnecessário de vítimas", afirma Catherine Le Galès-Camus, subdiretora geral da OMS para Enfermidades Não-Transmissíveis e Saúde Mental.

Lembro-me também de um jovem nascido em 1988 (portanto, mais novo do que eu) que, ironicamente, morreu atropelado por um carro, estava a andar de bicicleta à noite, sem colete refletor. Não há palavras para tamanho absurdo.

Os húngaros têm uma boa medicina forense porque se habituaram, infelizmente, a ser chamados para avaliar os crimes ligados às máfias de leste (que ainda existem) e, também, porque contribuíram para a investigação de determinados crimes violentos, como os da ex-Jugoslávia.

Falar de morte, no mundo ocidental, ainda é considerado tabú. Desde pequeninos que aprendemos, devido à nossa cultura, a ter medo dos mortos, como se eles se fossem levantar e fazer-nos mal.
A verdade é que os mortos não fazem mal a ninguém. Não há nada mais sem vida do que um morto.
Os vivos, sim, são os maiores responsáveis pelas dores uns dos outros...
E aí é que está a questão...
Ao olhar para mortos que não são os "nossos" mortos, sente-se a vulnerabilidade da nossa vida. E ao conhecer a história da morte de cada um, sente-se a imprevisibildade do estado que é viver... Às vezes, erradamente, achamos que temos tudo sobre controlo, quando tudo é completamente sem controlo...
Assim, a lição que os mortos nos dão é uma lição de vida...
É como se segredassem, tal como no fabuloso filme O Clube dos Poetas Mortos, aproveitem o dia!
Tornem o vosso dia extraordinário!
Sejam Felizes e façam os outros Felizes!

Algo que podia ser tão simples, não é?
Um beijinho enorme para todos...

quarta-feira, 5 de maio de 2010

SÓ POR ISSO, MÃE!

Porque o dia da mãe é todos os dias, aqui fica, para a Mulher mais importante da minha vida, com um beijinho...
E para todas as mães que conheço e admiro, e para todas as mães que por aqui passam...



SÓ POR ISSO, MÃE
 
Mesmo que a noite esteja escura,
Ou por isso,
Quero acender a minha estrela.

Mesmo que o mar esteja morto,
Ou por isso,
Quero enfunar a minha vela.

Mesmo que a vida esteja nua,
Ou por isso,
Quero vestir-lhe o meu poema.

Só porque tu existes,
Vale a pena! 


Lopes Morgado, Mulher Mãe


Sejam Felizes!

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Se tanto me dói que as coisas passem





Se tanto me dói que as coisas passem
É porque cada instante em mim foi vivo
Na busca de um bem definitivo
Em que as coisas de Amor se eternizassem.

Sophia de Mello Breyner Andresen



Croácia, 20-21 Março
Parque nacional de Plitvicka Jezera



 Zagreb

Viena, 13-14 Março


 
Câmara Municipal




Opera House



 Portugal à venda na loja da Opera House


 Edifício da Secessão


 


Palácio Belvedere







 Palácio de Schönbrunn

...

Beijinhos
Sejam Felizes!